Exames Médicos

CISMET efetua todos os exames necessários para o cumprimento da NR-07 (Lei 6.514). A NR-07 determina que todas as empresas são obrigadas a realizar exames clínicos em seus colaboradores e, dependendo da exposição a riscos, também são obrigadas a fazer exames complementares. Os exames ocupacionais são classificados em:

  • Admissionais: na contratação do colaborador e antes de iniciar as atividades na empresa.
  • Periódicos: durante o contrato de trabalho, com periodicidade definida pelo PCMSO do Médico do Trabalho.
  • Demissionais: no desligamento do colaborador.
  • Mudança de Função: quando o colaborador passa a exercer outra função dentro da empresa.

A audiometria é um exame que avalia a capacidade do paciente para ouvir sons. Geralmente esse exame é pedido quando, numa consulta médica, o paciente ou seus familiares alegam que ele está “ouvindo pouco”, mas pode servir também para complementar outros diagnósticos (traumas, infecções, condições hereditárias, etc.).

Existem dois tipos de audiometria:

  • Audiometria tonal: avalia as respostas do paciente a tons puros, emitidos em diversas frequências, detectando assim o grau e o tipo de perda auditiva. É considerado um teste subjetivo porque depende da resposta do examinando aos estímulos auditivos fornecidos pelo examinador. Pode ser feito por via aérea comum ou por via óssea. Saiba mais sobre esse audiometria tonal.
  • Audiometria vocal: avalia a capacidade de compreensão da voz humana. O paciente demonstrará sua percepção e compreensão da voz humana emitida pelo especialista. Como é feito o exame? O exame não requer preparo prévio nem suspensão da medicação em uso. Ele é simples, inofensivo e indolor e geralmente é feito por um fonoaudiólogo ou por um otorrinolaringologista.

Acuidade Visual é um exame que avalia a capacidade da visão de perceber a forma e o contorno dos objetos. No ambiente da Medicina do Trabalho, tal exame é fundamental porque consegue detectar se um trabalhador possui (ou não) déficit de visão que poderia causar riscos a ele mesmo, a outros trabalhadores e ao patrimônio da empresa. Este exame deve ser realizado por profissional da saúde habilitado.

A forma mais simples de diagnosticar um déficit de visão é a aferição da acuidade visual com a Escala de Sinais de Snellen. Este exame consiste em ler linhas de letras cujo tamanho vai diminuindo e as quais estão penduradas a uma distância padronizada da pessoa a ser testada. Cada linha na tabela diz respeito a uma graduação que representa a acuidade visual.

A acuidade é marcada com dois números (por exemplo, “20/40”). O primeiro número representa a distância de teste em pés entre o quadro e o paciente, e o segundo representa a fileira menor das letras que o olho do paciente pode ler. Por convenção, a visão é medida na distância de 20 pés (6 metros). Por isso na primeira parte da fração (numerador) temos o número 20. Nesse exemplo “20/40” seria porque as letras da fileira “40” são suficientemente grandes para que um olho normal veja na distância de 40 pés (12 metros).

A acuidade visual também pode ser medida por meio de equipamentos oftalmológicos, como o Ortho-Raiter.

A espirometria, ou exame de sopro, mede o volume e a velocidade do ar com o objetivo de diagnosticar doenças pulmonares e respiratórias. O procedimento é simples, indolor e dura cerca de meia hora.

Para que serve?

O exame serve para avaliar o funcionamento pulmonar, o que auxilia no diagnóstico de problemas respiratórios no paciente. Além disso, costuma ser usado para acompanhar a evolução de doenças degenerativas e como procedimento pré-operatório, para verificar a saúde pulmonar do paciente.

Como a espirometria é feita?

Antes de iniciar a espirometria, o paciente tem sua altura e peso medidos, devendo repousar em torno de 5 a 10 minutos. Enquanto isso, o médico aproveita para perguntar sobre possíveis sintomas. Durante o exame, o paciente fica sentado e uma presilha de borracha é colocada em seu nariz, para que respire apenas pela boca. O médico lhe dá um tubo, que fica conectado a um aparelho chamado espirômetro. Tudo o que o paciente deve fazer é soprar pelo espirômetro, jogando o ar para dentro do tubo, com a maior força possível.

Este exame utiliza radiação para a visualização de órgãos e estruturas do corpo. Este exame pode ser feito em diversas partes do corpo, sendo os principais:

  • RAIOS-X de Tórax P/PA e Tórax Perfil;
  • RAIOS-X de Abdômen;
  • RAIOS-X de Coluna Lombo Sacra;
  • RAIOS-X de Seios da Face;
  • RAIOS-X de Joelho;
  • RAIOS-X de Pés;
  • RAIOS-X de Mãos, dentre outros.

Para a realização dos exames de Raios-X de Abdômen e Coluna Lombo Sacra é necessário que o paciente tenha um preparo com laxante um dia antes e permaneça em jejum desde a noite anterior. O exame deverá ser realizado somente após o fim do efeito do medicamento. Também é importante informar o médico ou o técnico em radiologia caso o exame seja feito em gestantes ou mulheres com suspeita de gravidez.

O exame toxicológico de larga janela de detecção é obrigatório para renovação, emissão e alteração de categorias de CNHs C, D ou E e para motoristas de empresas nas contratação e desligamento destes profissionais em regime de CLT das mesmas categorias de CNHs.

Existem três tipos de exame toxicológico de drogas de abuso disponíveis, no que se refere as amostras biológicas analisadas e, consequentemente, à janela de detecção, ou seja o tempo que vai detectar caso o doador tenha feito o uso das substâncias analisadas.

  • toxicológico de larga janela de detecção realizada em amostras de queratina
  • Exame toxicológico de urina
  • Exame toxicológico de saliva

A avaliação psicossocial tem como objetivo analisar a história clínica pessoal e ocupacional do colaborador pareando, todavia, os aspectos comportamentais e o perfil psicológico do indivíduo, através de aplicação de testes psicológicos específicos. Assim, a avaliação tem foco na estrutura psíquica do colaborador que irá atuar nas áreas de riscos previstos nas normas regulamentadoras NR33 e NR35.

A avaliação psicossocial permite:

  • Identificação dos riscos da função;
  • Análise das condições de exposição ao risco;
  • Análise de perfil comportamental e atitudinal;
  • Avaliação e apresentação de resultados.

Eletrocardiograma, ou ECG, é um exame que avalia a atividade elétrica do coração a partir de eletrodos fixados na pele. Essa atividade é caracterizada pela variação na quantidade de íons de sódio dentro e fora das células musculares cardíacas.

O resultado deste exame é registrado em gráficos que comparam a atividade cardíaca do paciente com o padrão, indicando se a atividade cardíaca está dentro da normalidade ou se há alterações nos músculos e nervos do coração.

Para que serve o exame ECG?

Esse exame é capaz de detectar o ritmo do coração e o número de batimentos por minuto, por isso é usado para identificar arritmias, aumento de cavidades cardíacas, patologias coronarianas, infarto do miocárdio, distúrbios na condução elétrica do órgão, problemas nas válvulas do coração, pericardite, hipertrofia das câmaras cardíacas e doenças que isolam o coração.

Também pode ser indicado para verificar a saúde do coração quando o paciente apresenta outras condições, como:

  • Pressão alta;
  • Colesterol alto;
  • Tabagismo;
  • Diabetes;
  • Histórico familiar de doença cardíaca precoce.

Eletroencefalograma (EEG) é um exame de monitoramento não-invasivo que registra a atividade elétrica do cérebro. É realizado com eletrodos fixados no couro cabeludo por meio de uma pasta condutora de eletricidade. Objetiva registrar a atividade cerebral para detectar possíveis anormalidades neurológicas.

Pra quem é indicado?

O eletroencefalograma pode ser realizado em qualquer pessoa, sendo indicado em casos de suspeita de anormalidade na atividade cerebral, indícios de epilepsia e indícios de disfunção da consciência.

Como a atividade cerebral não muda com idade ou sexo, esse exame pode ser realizado em todas as fases da vida. Pode ser realizado também durante a gravidez, por não ser invasivo.

Por meio dos exames médicos periódicos, como o ASO, é possível identificar, muitas vezes, e com certa antecedência, alguma condição impeditiva na saúde do funcionário para o exercício de suas funções no ambiente laboral. Os resultados obtidos apresentam a aptidão, ou mesmo, a incapacidade dos trabalhadores para atuarem em condições seguras e que não comprometam a saúde. Em caso de incapacidade, em que sejam constatadas alterações que impeçam o trabalhador de atuar em suas atividades laborais, o mesmo receberá todas as instruções e orientações necessárias, sendo encaminhado para o adequado acompanhamento do caso.